Legião Urbana

A VIA LÁCTEA

Quando tudo está perdido

Sempre existe um caminho

Quando tudo está perdido

Sempre existe uma luz

Mas não me diga isso

Hoje a tristeza não é passageira

Hoje fiquei com febre a tarde inteira

E quando chegar a noite

Cada estrela parecer uma lágrima

Queria ser como os outros

E rir das desgraças da vida

Ou fingir estar sempre bem

Ver a leveza das coisas com humor

Mas não me diga isso

É só hoje e isso passa

Só me deixe aqui quieto

Isso passa

Amanhã é um outro dia

Não é ?

Eu nem sei porque me sinto assim

Vem de repente um anjo triste perto de mim

E essa febre que não passa

E meu sorriso sem graça

Não me dê atenção

Mas obrigado por pensar em mim

Quando tudo está perdido

Sempre existe uma luz

Quando tudo está perdido

Sempre existe um caminho

Quando tudo está perdido

Eu me sinto tão sozinho

Quando tudo está perdido

Não quero mais ser quem eu sou

Mas não me diga isso

Não me dê atenção

E obrigado por pensar em mim

Não me diga isso

Não me dê atenção

E obrigado por pensar em mim


ANTES DAS SEIS

Quem inventou o amor ?

Me explica por favor

Quem inventou o amor ?

Me explica por favor

Vem e me diz o que aconteceu

Faz de conta que passou

Quem inventou o amor ?

Me explica por favor

Daqui vejo o seu descanso

Perto do seu travesseiro

Depois quero ver se acerto

Dos dois quem acorda primeiro

Quem inventou o amor ?

Me explica por favor

Quem inventou o amor ?

Me explica por favor

Enquanto a vida vai e vem

Você procura achar alguém

Que um dia possa lhe dizer

  • Quero ficar só com você

Quem inventou o amor ?


O TEATRO DOS VAMPIROS

Sempre precisei de um pouco de atenção

Acho que não sei quem sou

Só sei do que não gosto

E desses dias tão estranhos

Fica a poeira se escondendo pelos cantos.

Este é o nosso mundo

O que é demais nunca é o bastante

E a primeira vez é sempre a última chance.

Ninguém vê onde chegamos:

Os assassinos estão livres, nós não estamos

Vamos sair - mas não temos mais dinheiro

Os meus amigos todos estão procurando emprego

Voltamos a viver como há dez anos atrás

E a cada hora que passa

Envelhecemos dez semanas.

Vamos lá tudo bem - eu só quero me divertir

esquecer, dessa noite ter um lugar legal prá ir

JÁ entregamos o alvo e artilharia

Comparamos nossas vidas

E esperamos que um dia

Nossas vidas possam se encontrar.

Quando me vi tendo de viver comigo apenas

E com o mundo

Você me veio como um sonho bom

E me assustei

Não sou perfeito

Eu não esqueço

A riqueza que nós temos

Ninguém consegue perceber

E de pensar nisso tudo, eu, homem feito

Tive medo e não consegui dormir

Vamos sair - mas não temos mais dinheiro

Os meus amigos todos estão procurando emprego

Voltamos a viver como há dez anos atrás

E a cada hora que passa

Envelhecemos dez semanas.

Vamos lá tudo bem - eu só quero me divertir

esquecer, dessa noite ter um lugar legal prá ir

Já entregamos o alvo e artilharia

Comparamos nossas vidas

E mesmo assim, não tenho pena de ninguém.


PAIS E FILHOS

Estatuas e cofres. E paredes pintadas. Ninguém sabe o que aconteceu.

Ela se jogou da janela do quinto andar. Nada é fácil de entender.

Dorme agora. é isso o vento lá fora.

Quero colo. Vou fugir de casa. Posso dormir aqui com vocês?

Estou com medo. Tive um pesadelo isso vou voltar depois das três.

Meu filho vai ter nome de santo. Quero o nome mais bonito.

É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã.

Porque se você parar para pensar, na verdade não há.

Me diz porque o céu é azul. Me explica a grande fúria do mundo.

São meus filhos que tomam conta de mim.

Eu moro com a minha mãe mas meu pai vem me visitar.

Eu moro na rua, não tenho ninguém. Eu moro em qualquer lugar.

Já morei em tanta casa que nem me lembro mais. Eu moro com os meus pais.

É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã.

Porque se você parar para pensar, na verdade não há.

Sou uma gota d’água

Sou um grão de areia.

Você me diz que seus pais não entendem.

Mas você não entende seus pais.

Você culpa seus pais por tudo. E isso é absurdo.

São crianças como você.

O que você vai ser, quando você crescer?


QUE PAÍS É ESTE?

Nas favelas, no senado

Sujeira prá todo lado

Ninguém respeita a constituição

Mas todos acreditam no futuro da nação

Que pais é este?

No Amazonas, no Araguaia, na Baixada fluminense

No Mato grosso, nas Gerais e no Nordeste tudo em paz

Na morte eu descanso mas o sangue anda solto

Manchando os papéis, documentos fiéis

Ao descanso do patrão

Que país é este ?

Terceiro Mundo se for

Piada no exterior

Mas o Brasil vai ficar rico

Vamos faturar um milhão

Quando vendermos todas as almas

Dos nossos índios num leilão.

Que país é este?


SERÁ

Tire suas mãos de mim

Eu não pertenço a você

Não é me dominado assim

Que você vai me entender

Eu posso estar sozinho

Mas eu sei muito bem aonde estou

Você pode até duvidar

Acho que isso não é amor.

[refrão]

Será isso imaginação?

Será que nada vai acontecer?

Será que é tudo isso em vão?

Será que vamos conseguir vencer?

Nos perderemos entre monstros

Da nossa própria criação

Serão noites inteiras

Talvez por medo da escuridão

Ficaremos acordados

Imaginando alguma solução

Prá que esse nosso egoísmo

Não destrua nosso coração.

[refrão]

Brigar prá quê

Se é sem querer

Quem é que vai

Nos proteger?

Ser que vamos ter

Que responder

Pelos erros a mais

Eu e você?


TEMPO PERDIDO

Todos os dias quando acordo,

Não tenho mais o tempo que passou

Mas tenho muito tempo

Temos todo o tempo do mundo.

Todos os dias antes de dormir,

Lembro e esqueço como foi o dia:

“Sempre em frente,

Não temos tempo a perder.”

Nosso suor sagrado

É bem mais belo que esse sangue amargo

E tão sério

E selvagem.

Veja o sol dessa manhã tão cinza:

A tempestade que chega é da cor dos teus olhos castanhos.

Então me abraça forte e me diz mais uma vez

Que já estamos distantes de tudo:

Temos nosso próprio tempo.

Não tenho medo do escuro, mas deixe as luzes acesas agora.

O que foi escondido é o que se escondeu

E o que foi prometido, ninguém prometeu.

Nem foi tempo perdido.

Somos tão jovens.


VINTE E NOVE

Perdi vinte em vinte e nove amizades

Por conta de uma pedra em minhas mãos

Me embriaguei morrendo vinte e nove vezes

Estou aprendendo a viver sem você

(Já que você não me quer mais.)

Passei vinte e nove meses num navio

E vinte e nove dias na prisão

E aos vinte e nove com o retorno de Saturno

Decidi começar a viver.

Quando você deixou de me amar

Aprendi a perdoar

E a pedir perdão.

E vinte e nove anjos me saudaram

E tive vinte e nove amigos outra vez.