Lulu Santos

APENAS MAIS UMA DE AMOR

Eu gosto tanto de você.

Que até prefiro esconder.

Deixo assim ficar.

Subentendido.

Como uma idéia que existe na cabeça.

E não tem a menor obrigação de acontecer.

Eu acho tão bonito.

Isto de ser abstrato, baby.

A beleza é mesmo tão fugaz.

Como uma idéia que existe na cabeça.

E não tem a menor obrigação de convencer.

Pode até parecer fraqueza.

Pois que seja fraqueza então.

A alegria que me dá.

Isso vai sem eu dizer.

Se amanhã não for nada disso.

Caberá só a mim esquecer.

O que eu ganho, o que eu perco.

Ninguém precisa saber.


AQUILO

Outra vez a mesma história

Volta sempre a acontecer

Vai passar de hora em hora

Depois que ligarem a TV

Vejo as sombras coloridas

Sussurrando em sensurround

Deslizando na avenida

Meio alheio ao temporal

E não tem vacilo nem engano

Que estrague nosso plano

Isto é, se for,

Aquilo que chamam amor

Aquilo que chamam amor

Aquilo que chamam…

Outra vez a mesma história

Volta sempre a acontecer

Vai passar de hora em hora

Depois que ligarem a TV

Vejo as sombras coloridas

Sussurrando em sensurround

Deslizando na avenida

Meio alheio ao temporal

E não tem vacilo nem engano

Que estrague nosso plano

Isto é, se for,

Aquilo que chamam amor

Aquilo que chamam amor

Aquilo que chamam…

Outra vez a mesma história

Volta sempre a acontecer…


ASTRONAUTA

Astronauta, tá sentindo falta da Terra?

Que falta que essa terra te faz?

A gente aqui embaixo continua em guerra

Olhando aí pra lua implorando por paz

Então me diz: por que que você quer voltar?

Você não tá feliz onde você está?

Observando tudo a distância

Vendo como a Terra é pequenininha

Como é grande a nossa ignorância

E como a nossa vida é mesquinha

A gente aqui no bagaço, morrendo de cansaço

De tanto lutar por algum espaço

E você, com todo esse espaço na mão

Querendo voltar aqui pro chão?

Ah não, meu irmão, qual é a tua?

Que bicho te mordeu aí na lua?

Eu vou pro mundo da lua

Que é feito um motel

Aonde os deuses e deusas

Se abraçam e beijam no céu

Ah, não, meu irmão, qual é a tua?

Que bicho te mordeu aí na lua?

Fica por aí que é o melhor que cê faz

A vida por aqui tá difícil demais

Aqui no mundo o negócio tá feio

Tá todo mundo feito cego em tiroteio

Olhando pro alto, procurando a salvação

Ou pelo menos uma orientação

Você já tá perto de Deus, astronauta

Então me promete que pergunta pra ele

As respostas de todas as perguntas

E me manda pela internet

Eu vou pro mundo da lua

Que é feito um motel

Aonde os deuses e deusas

Se abraçam e beijam no céu

É tanto progresso que eu pareço criança

Essa vida de internauta me cansa

Astronauta, cê volta

E deixa eu dar uma volta na nave

Passa a chave que eu tô de mudança

Seja bem-vindo, faça o favor

E toma conta do meu computador

Porque eu tô de mala pronta, tô de partida

E a passagem é só de ida

Tô preparado pra decolagem

Vou seguir viagem, vou me desconectar

Porque eu já tô de saco cheio

E não quero receber nenhum email

Com notícia dessa merda de lugar

Eu vou pro mundo da lua

Que é feito um motel

Aonde os deuses e deusas

Se abraçam e beijam no céu

Eu vou pra longe, onde não exista gravidade

Pra me livrar do peso da responsabilidade

De viver nesse planeta doente

E ter que achar a cura

Da cabeça e do coração da gente

Chega de loucura, chega de tortura

Talvez aí no espaço eu ache

Alguma criatura inteligente

Aqui tem muita gente

Mas eu só encontro solidão

Ódio, mentira, ambição

Estrela por aí é o que não falta, astronauta

A Terra é um planeta em extinção

Eu vou pro mundo da lua

Que é feito um motel

Aonde os deuses e deusas

Se abraçam e beijam no céu

Eu vou pro mundo da lua

Que é feito um motel

Aonde os deuses e deusas

Se abraçam e beijam no céu


AVISO AOS NAVEGANTES

Se existe alguém na linha

Se tem alguém no ar

Por favor responda agora

Não me faça esperar

Há uma certa urgência

Alô informação

Aqui sou eu sozinho

Do outro lado não sei, não sei

Instalei uma antena

E lancei um sinal

Nada no radar

Procuro no dial

Aviso aos navegantes

Tem mais alguém aí?

Só ouço o som da minha própria voz a repetir

S.O.S. solidão


CASA

Primeiro era vertigem

Como em qualquer paixão

Era só fechar os olhos

E deixar o corpo ir

No ritmo

Depois era um vício

Uma intoxicação

Me corroendo as veias

Me arrasando pelo chão

Mas sempre tinha

A cama pronta

E rango no fogão

Luz acesa

Me espera no portão

Pra você ver

Que eu tô voltando pra casa

Me vê

Que eu tô voltando pra casa

Outra vez

Às vezes é tormenta

Fosse uma navegação

Pode ser que o barco vire

Também pode ser que não

Já dei meia volta ao mundo

Levitando de tesão

Tanto gozo e sussurro

Já impressos no colchão

Pois sempre tem

A cama pronta

E rango no fogão

Luz acesa

Me espera no portão

Pra você ver

Que eu tô voltando pra casa

Me vê

Que eu tô voltando pra casa outra vez

Primeiro era vertigem

Como em qualquer paixão

Logo mais era um vício

Me arrasando pelo chão

Pode ser que o barco vire

Também pode ser que não

Já dei meia volta ao mundo

Levitando de tesão

Pois sempre tem

A cama pronta

E rango no fogão

Luz acesa

Me espera no portão

Pra você ver

Que eu tô voltando pra casa

Me vê

Que eu tô voltando pra casa outra vez


CERTAS COISAS

Não existiria som se não

Houvesse o silêncio

Não haveria luz se não

Fosse a escuridão

A vida é mesmo assim

Dia e noite, não e sim

Cada voz que canta o amor

Não diz tudo que quer dizer

Tudo que cala fala mais

Alto ao coração

Silenciosamente

Eu te falo com paixão

Eu te amo calado

Como quem ouve uma sinfonia

De silêncio e de luz

Nós somos medo e desejo

Somos feitos de silêncio e som

Tem certas coisas que eu não sei dizer


COMO UMA ONDA

Nada do que foi será

De novo do jeito que já foi um dia

Tudo passa

Tudo sempre passará

A vida vem em ondas

Como um mar

Num indo e vindo infinito

Tudo que se vê não é

Igual ao que a gente viu a um segundo

Tudo muda o tempo todo

No mundo

Não adianta fugir

Nem mentir pra si mesmo agora

Há tanta vida lá fora

Aqui dentro sempre

Como uma onda no mar


DEUSA DA ILUSÃO

jezabel princesa de babel

de babilônia e xanadu

meu xangrilá és tu

tesouro do eldorado

sou teu guerreiro de esparta

teu guardião

selena que me ilumina o céu

e organiza os oceanos

é teu meu tempo e mais

é tua minha história

é teu meu reino da memória

o feiticeira de judah

que me incendeia e faz voar

sereia do meu mar

astronave do meu ar

edelweiss do himalaia

tu és maia, tu és má

tu és a deusa da ilusão

e eu te amo


ESTA CANÇÃO

eu lhe fiz esta canção

para lhe pedir perdão

tenho sido tão vão

na procura insana

por gratificação

pode dar a impressão

mas de fato não

eu não faço a menor força

pra nada disto rimar

mas eu ando tão fraco

não queria que você me visse

tão fraco

mas na verdade eu não quero enganar


FOGO DE PALHA

Bem que eu achei.

Que era artificial.

Fogo de palha.

Bem que eu notei.

Que era só encenação.

Ainda assim acreditei.

Mas não faz mal.

Nada é só ruim.

Vem o refrão da canção na hora.

São duas casas totalmente separadas.

A do desejo e da razão.

E se revezam quase religiosamente.

Tal qual a luz e a escuridão.

Bem que eu achei.

Que era artificial.

Fogo de palha.

Bem que eu notei.

Que as balas eram de festim.

Ainda assim machucou.

Mas não faz mal.

Nada é só ruim.

Vem o refrão da canção na hora.

São duas casas totalmente separadas.

A do desejo e da razão.

E se revezam quase religiosamente.

Tal qual a luz e a escuridão.


HIPERCONECTIVIDADE

Acho que dessa vez eu vi algo

Que estava parado e se moveu

Nunva vi nada receber a minha ligação

Tão rápido e responder

De outra forma, mais uma vez eu vou perguntar

Quem está aí?

Hoje não tem sessão de copo, que fazer o favor então

De se apresentar

Você vêm do futuro, eu te espero bem aqui

Esclarece o obscuro e faz a hiperconectividade rolar

Pega no ar, hiperconectividade

Liga lá

Em mil anos de minha vida nunca imaginei

Que isso fosse acontecer

Foi um pé e depois o outro,

Na verdade nada é mais simples que levitar

  • É só começar

Você vêm do futuro, eu te espero bem aqui

Esclarece o obscuro e faz a hiperconectividade rolar

Pega no ar, hiperconectividade

Liga lá

Acho que dessa vez eu vi algo

Que estava parado e se moveu

Nunva vi nada receber a minha ligação

Tão rápido e responder

Em mil anos de minha vida nunca imaginei

Qu anos de minha vida nunca imaginei

Que isso fosse acontecer

Foi um pé e depois o outro,

Na verdade, a gente se amarra é num clichê, é!

Você vêm do futuro, eu te espero bem aqui

Esclarece o obscuro e faz a hiperconectividade rolar

Pega no ar, hiperconectividade

Liga lá

Liga lá…


JANELA INDISCRETA

eu sei a hora que você acorda

já conheço sua rotina

não esteja de tocaia

mas é que nosso tempo combina

se te flagro na piscina

massageia minha retina

te devasso sem fissura

há que endurecer sem perder a ternura

de manhãzinha na sacada

com uma xícara de café

os cabelos em desalinhos

tão carente, tsc, tsc, tsc

cobertura 04

mensagem pra você

nesses dias tão vzios

não tem nada na tv

cobertura 04

fingindo que não vê

minha janela indiscreta

bem aqui de frente

se você sai pro trabalho

então meu dia termina

e depois só recomeça

quando sua luz se ilumina

sua casa não tem paredes

nem seu quarto de dormir

sua coberta não te cobre

feche bem os olhos

e tente dormir


MADE IN BRAZIL

Dara-ram-dam-dam

A gente soa assim

Caricatura de americano

E não é de hoje que isso é assim

Já faz um tempo

Nego desce a Rua Augusta a 120 por hora

Na trilha sonora

Uuuu, e sempre haverá um vício

Uuuu, passou de dois mil

Ninguém faz igual a brasileiro rock do Brasil

Os Mutantes eram e serão demais

Já disse alguém até em uma música

E Roberto & Erasmo são neandertais

Embora aparentemente

O primeiro não se ligue mais nisso

Largou o feitiço

Na mão do Raul

Uuuu, e sempre haverá um vício

Uuuu, passou de dois mil

Ninguém faz igual a brasileiro pop do Brasil

Paralamas, O Rappa, Ira e Titãs

Jota Quest, Charlie Brown e Raimundos

Legião, Barão, e digo mais, Lobão

Los Hermanos, Ultraje, Penélope e Sepultura

Na linha dura

Uuuu, e sempre haverá um vício

Uuuu, passou de dois mil

Ninguém faz igual a brasileiro funk do Brasil

E tem muitos nomes que eu não disse aqui

Que com certeza já fizeram a glória

É questão de espaço e também de tempo

Ultimamente não sei bem porque

Anda me faltando a memória

Por isso fiz essa história

Uuuu, e sempre haverá um vício

Uuuu, passou de dois mil

Ninguém faz igual a brasileiro

Pop, rock, reggae, hip-hop do Brasil


O RETORNO DO MAIA INTERGALÁTICO

navegam em naves

bombidas a pura vontade

e tem poderes realmente impressionantes

não necessitam dar demonstrações disso

e nesse momento não seria interessante

querem saber se a raça humana

sabe dar o passo para evoluir

ou se é pré-programada

pra se destruir

nossa sobrevivência deles dependem nesse instante

de alguma escolha cósmica que talvez venham a fazer

entre este e outro planeta habitado mais distante

por motivos que nunca conheceremos

querem saber se a raça humana

sabe dar o passo para evoluir

ou se é pré-programada

pra se destruir

o retorno do maia intergalático

detonando de vez

o império de cortez

o retorno do maia intergalático

deletando de vez

os arquivos de pizarro & cortez

algumas pessoas nos tomam por anjos

e pensam que zelam por sua boa vontade

o que é uma forma de covardia

e de fingir a própria responsabilidade

querem saber se a raça humana

sabe dar o passo para evoluir

ou se é pré-programada

pra se destruir

o retorno do maia intergalático

detonando de vez

o império de cortez

o retorno do maia intergalático

deletando de vez

os arquivos de pizarro & cortez


SÁBADO À NOITE

Todo mundo espera alguma coisa

De um sábado à noite

Bem no fundo todo mundo quer zoar

Todo mundo sonha em ter

Uma vida boa

Sábado à noite tudo pode mudar

A semana passou num piscar de olhos

Eu não vi

E o tempo que voa como o vento

Não senti

Minha vida está congelada

Desde a última vez que lhe vi

Só me interessa voltar ao ponto de onde parti

Passa segunda, terça e quarta-feira

Nem aí

E na quinta e sexta o tempo parece

Repetir

Quando o sol do último dia ameaça se despedir

É que o povo põe uma roupa

E sai pra se distrair

Todo mundo espera alguma coisa

De um sábado à noite

Bem no fundo todo mundo quer zoar

Todo mundo sonha em ter

Uma vida boa

Sábado à noite tudo pode mudar

Sábado à noite não devia se acabar

Sábado à noite tudo pode tudo pode tudo

Tudo pode, pode tudo


SATISFAÇÃO

Sei que não mereço

Todo o teu apreço

Sou irresponsável

Me chame assim mesmo

Sei que é bem verdade

Tudo de que me acusares

Já que estou em tuas mãos

Faz como entenderes

As canções mais tolas

Tendo os seus defeitos

Sabem diagnosticar

O que vai no peito

Pego o telefone

Ligo a televisão

Abro a geladeira

Mas não tem satisfação

E eu não vou me dar

Ao luxo de te perder

Eu me recuso a admitir

Que amar é sofrer


SEREIA

Clara como a luz do sol

Clareira luminosa nessa escuridão

Bela como a luz da lua

Estrela do oriente nesses mares do sul

Clareira azul no céu

Na paisagem

Será magia, miragem, milagre

Será mistério

Prateando horizontes

Brilham rios, fontes

Numa cascata de luz

No espelho dessas águas

Vejo a face luminosa do amor

As ondas vão e vem

E vão e são como o tempo

Luz do divinal querer

Seria uma sereia

Ou seria só

Delírio tropical, fantasia

Ou será um sonho de criança

Sob o sol da manhã


TÃO BEM

Ela me encontrou

Eu tava por aí

Num estado emocional tão ruim

Me sentindo muito mal

Perdido, sozinho

Errando de bar em bar

Procurando não achar

Ela demonstrou tanto prazer

De estar em minha companhia

Eu experimentei uma sensação

Que até então não conhecia

De se querer bem

De se querer quem se tem

Ela me faz tão bem

Ela me faz tão bem

Que eu também quero fazer isso por ela


TEMPO / ESPAÇO

Olha meu bem o céu

Vê quanta luz, quanta estrela

Quase todas mortas

Só não é chegado para nós

O tempo em que se apagarão

A gente tá na lanterna

Do tempo que virá


TEMPOS MODERNOS

Eu vejo a vida melhor no futuro

Eu vejo isso por cima do muro

de hipocrisia que insiste em nos rodear

Eu vejo a vida mais farta e clara

Repleta de toda a satisfação

Que se tem direito

Do firmamento ao chão

Eu quero crer no amor numa boa

E que isso valha prá qualquer pessoa

Que realizar a força que tem uma paixão

Eu vejo um novo começo de era

De gente fina, elegante e sincera

Com habilidade pra dizer mais sim do que não

Hoje o tempo voa amor

Escorre pelas mãos

Mesmo sem se sentir

E não há tempo que volte amor

Vamos viver tudo o que há prá viver

Vamos no permitir


TODA FORMA DE AMOR

Eu não pedi pra nascer

Eu não nasci pra perder

Nem vou sobrar de vítima

Das circunstâncias

Eu tô plugado na vida

Eu tô curando a ferida

Às vezes eu me sinto

Uma mola encolhida

Você é bem como eu

Conhece o que é ser assim

Só que dessa história

Ninguém sabe o fim

Você não leva pra casa

E só traz o que quer

Eu sou teu homem

Você é minha mulher

E a gente vive junto

E a gente se dá bem

Não desejamos mal a quase ninguém

E a gente vai à luta

E conhece a dor

Consideramos justa

Toda forma de amor


TUDO BEM

Já não tenho dedos pra contar

De quantos barrancos despenquei

E quantas pedras me atiraram

Ou quantas atirei

Tanta farpa, tanta mentira

Tanta falta do que dizer

Nem sempre é ‘so easy’ se viver

Hoje eu não consigo mais me lembrar

De quantas janelas me atirei

E quanto rastro de incompreensão

Eu já deixei

Tanto bons quanto maus motivos

Tantas vezes desilusão

Quase nunca a vida é um balão

Mas o teu amor me cura

De uma loucura qualquer

É encostar no teu peito

E se isso for algum defeito

Por mim tudo bem


TUDO IGUAL

Então é assim que a vida faz

E sempre haverá um fim

Um pano rápido ou um plano

Longínquo do horizonte, e os créditos

Os personagens se revelam

Atores no aplauso final

E pra cada interpretação

O que lhe for proporcional

Fica muito bem em cinema

Romance do romance ideal

Só vamo então deixar combinado

Aqui é a vida real

Não leve o personagem pra cama

Pode acabar sendo fatal

Então desmonta logo essa máscara

Voltemos à estaca zero

Fica tudo igual

Normal

O ruído incidental nesta faixa é proposital


ÚLTIMO ROMÁNTICO

Faltava abandonar a velha escola

Tomar o mundo feito coca cola

Fazer da minha vida

Sempre o meu passeio público

E ao mesmo tempo fazer dela

O meu caminho só, único

Talvez eu seja o último romântico

Dos litorais desse oceano Atlântico

Só falta reunir a zona norte à zona sul

Iluminar a vida

Já que a morte cai do azul

Só falta te querer

Te ganhar e te perder

Falta eu acordar

Ser gente grande pra poder chorar

Me dá um beijo, então

Aperta a minha mão

Tolice é viver a vida assim

Sem aventura

Deixa ser pelo coração

Se é loucura então

Melhor não ter razão


UM CERTO ALGUÉM

Quis evitar teus olhos

Mas não pude reagir

Fico à vontade então

Acho que é bobagem

A mania de fingir

Negando a intenção

Quando um certo alguém

Cruzou o teu caminho

E te mudou a direção

Chego a ficar sem jeito

Mas não deixo de seguir

A tua aparição

Quando um certo alguém

Desperta o sentimento

É melhor não resistir

E se entregar

Me dê a mão, vem ser a minha estrela

Complicação tão fácil de entender

Vamos dançar, luzir a madrugada

Inspiração pra tudo que eu viver