Nação Zumbi

MALUNGO

O dia que renova

De sol pra sol

De Malungo pra Malungo

Pra Malungo de Malungo

Pra Malungo é

Pra Malungo é

Nosso batuque será sua herança

Assim falou, assim falou

No elétrico lamaçal

Um Malungo pelas peles da Nação Zumbi

Onde tem baque solto

E baque virado inteiro

‘tamo aí mandando brasa

‘tamo aí mandando brasa

Quanto vale um Malungo

Malungo vale uma vida

Um samba de muitas cores, passos,

Bits, vibrations

Uma rajada de notas viradas,

Equilibradas, partidas

Malungo de baque solto

Malungo das toadas soltas

Do maquinado maracatu de baque virado

Em loadas e cirandas

Ouvir o mar em estéreo

E não parar de brilhar

‘tamo aí mandando brasa

‘tamo aí mandando brasa

A ciência consegui juntar

O mangue com o mundo

E de lá saiu

Um Mangue boy Malungo

Antenado, camarada, Malungo

Sangue bom

Francisco de Assis,

Malungo sangue bom

É de Malungo pra Malungo, maluco

Só sangue bom

Emocionado homenageio

Com minha improvisação

E a Nação Zumbi mandando ver

Tô na parada

E de repente tô embolando

Hip hop e batucada (Demorou!)

Fazendo a frente

E nos terrenos da vida

Cantando me faço presente

E nas horas que se passam

Do som ao som

De Malungo pra Malungo

Dê Malungo ê

Dê Malungo pra Malungo ê

E nas pedras do batuque

Da nossa nação