Raimundos

A MAIS PEDIDA

Nesse show não entra menor,

Um homem censurou, tava de mau humor

Não tinha dormido bem porque não levantou

Pense como ia ser bom

Se nós fizesse um que ultrapassasse

A barreira das AM, FM e dos elevador

Aí sim, dá um selinho

E mostra o seio that you saw

Quando eu te vi o meu calção se abriu

Caiu uma lágrima de um olho, que se for dos dois então é namoro

Meu cabelo é ruim, mas meu terno é de linho

Vou ser seu salgadinho, cê vai gostar de mim

Se eu tocar no seu radinho

Choro até o fim, só pra rimar com inho

Pois se eu ganhar “din din” cê vai gostar de mim

Se eu tocar no seu radinho

Por favor, seu locutor,

Ao menos uma vez, melhor se fossem três

Toca o nosso som aí que tu me faz feliz

Se não tocar eu quebro o seu nariz

Só assim preu tocar no seu radinho


ESPORREI NA MANIVELA

Entrem no trem, esporrei na manivela

Cobrador fila da puta me jogou pela janela

Caí de quatro com o caralho arregalado

E uma véia muito escrota me levou pro delegado

O delegado tinha cara de viado

E me mandou tomar no cú

Tomei no cú, mas tomei no cú errado

Quando eu menos percebi era cú do delegado

O coletivo é muito bom para sarrar

Pois o povo aglomerado sempre tende a se esfregar

Com as nega véia é perna aqui perna acolá

E se a xereca é mal lavada faz a ricota suar

Se é nos calombos ou nas freiadas

Se é nas curvas ou nas entradas

São situações propícias para o ato de sarrar

No coletivo o que manda é a lei do pau

Quem tem esfrega nos outros

Quem não tem só se dá mal


LÍNGUA PRESA

Se pisar na minha área

Vai sair com o pé ferido

Vocês, boysm, não sabem nada

Onde mora o perigo

Rolam altas paradas

Em Araraquara, Em Caraguatatuba

Eu como as empregadas

Porque nessa galera me chamam de “língua presa”

Mas ninguém tem coragem de falar na minha cara

Vivo prisioneiro, aumentando a paranóia

Minha privacidade é uma porcaria

Rolam altas paradas

Em Piracicaba, em Pindamonhangaba

Eu vou comer sua raba

Porque nessa galera me chamam de “língua presa”

Mas ninguém tem coragem de falar na minha cara

Uh! Tererê!

Ri na minha cara

Se pisar na minha área

Você tá fudido

Porque os cara que comanda lá é tudo meus amigo

Vai tomar porrada e já tá na hora

De você dar o fora, vão comer seu toba


ME LAMBE

O quê? O que que essa criança tá fazendo aí toda mocinha?

Vêm, já sabe rebolar, e hoje em dia quem não sabe

Se ela der mole eu juro que eu não faço nada

Dá cadeia e é contra o costume

Mas se eu tiver na rua e ela de mão dada com outro cara

Eu morro de ciúme!

E eu contente com as malvada achando que era o tal

E me aparece essa coisinha

Me dê agora seu telefone, outro dia a gente se liga

Eu quero te levar pra onde dá um frio na barriga

Me fala a verdade, quantos anos você tem?

Eu acho que com a sua idade

Já dá pra brincar de fazer neném

Como a vista é linda da roda gigante

É tão grande

Acho qeu ela viajou que eu era um picolé

Me lambe

No parque de diversões foi que ela virou mulher

Das forte

Menina pega a boneca e bota ela de pé

Sinto, amigo, lhe dizer, mas ela é “de menor”

Isso é crime

Seu guarda, se não fosse eu podia ser pior

Imagine

O homem de cassetete disse, quando me algemou

Que ela só tinha dezessete e o pai dela era doutor

E que se fosse eu ainda faria igual

Se fosse no ano que vem ia ser normal


MERRY CHRISTMAS

Merry Christmas, I don’t want to fight tonight with

Merry Christmas, I don’t want to fight tonight

Merry Christmas, I don’t want to fight tonight with you

Where is Santa? At his sleigh?

Tell me why is it always this way?

Where is Rudolph? Where is Blitzen, baby?

Merry Christmas, merry merry merry Christmas

All the children are tucked in their beds

Sugar-plum fairies dancing in their heads

Snowball fighting, it’s so exciting baby

I love you and you love me

And that’s the way it’s got to be

I loved you from the start

‘Cause Christmas ain’t the time for breaking each other’s hearts

Where is Santa? At his sleigh?

Tell me why is it always this way?

Where is Rudolph? Where is Blitzen, baby?

Merry Christmas, merry merry merry Christmas

All the children are tucked in their beds

Sugar-plum fairies dancing in their heads

Snowball fighting, it’s so exciting baby

Yeah, yeah, yeah

I love you and you love me

And that’s the way it’s got to be

I loved you from the start

‘Cause Christmas ain’t the time for breaking each other’s hearts

Merry Christmas, I don’t want to fight tonight with

Merry Christmas, I don’t want to fight tonight

Merry Christmas, I don’t want to fight tonight with you


MULHER DE FASES

Que mulher ruim, jogou minhas coisas fora,

Disse que em sua cama eu não deito mais não,

A casa é minha, você que vá embora,

Já pra saia da sua mãe e deixa o meu colchão,

Ela é “pró” na arte de pentelhar e aziar, é campeã do mundo,

A raiva era tanta que eu nem reparei,

Que Lua, diminuía,

A doida, tá me beijando há horas,

Disse que se for sem eu não quer viver mais não,

Me diz Deus, o que é que eu faço agora?

Se me olhando desse jeito ela me tem na mão,

Meu filho agüenta, quem mandou você gostar,

Dessa mulher de fases

Complicada e perfeitinha,

Você me apareceu,

Era tudo que eu queria,

Estrela da Sorte,

Quando a noite ela surgia,

Meu bem você cresceu,

Meu namoro é na folhinha,

Mulher de fases

Põe fermento, põe as bomba,

Qualquer coisa que aumente e a deixe,

Bem maior que o Sol,

Pouca gente sabe que a noite

O frio é quente e arde, e eu, acendi,

Até sem luz dá pra te enxergar

O lençol, fazendo um “Congo-Blue”,

É pena que eu sei

Amanhã já vai miar se agüente,

Que lá vem chumbo quente


REGGAE DO MANERO

Se eu uso a manga da camisa que é dobrada

A calça bag vem rasgada

É porque eu sou fulêro

Se eu vou pro centro no domingo

E do perfume eu uso um pingo

Que deixa fedendo o prédio inteiro

Pente redondo tem

Cê me pergunta eu lhe respondo

Eu tomo pinga com a Domingas

Danço curtindo o Wando

E não consigo nem levantar pra mudar o disco

Um bicho velho cheio de risco

Que só serve pra abanar

Eu tô comendo bem no restaurante morte lenta

A cozinheira é uma nojenta

que vive limpando a venta no avental

Tô passando mal

Tô com saudade de mainha

Oh mãe (refrão)

Vê se manda um dinheiro

Que eu tô no banheiro

E não tem papel pra cagá

Oh mãe (refrão)

Esse seu filho é manêro

Aqui no estrangeiro nenhuma mulher quer me dá

Meu cabelo eu não sei quem rapô

entupiu a privada, entupiu

Ah meu Deus

Oh oh ah ah uh

Ce é bnitch

Ce é bnitch

Ce é bnitch demais

Ocê é um cara manêro

Ce é bnitch

Ce é bnitch

Ce é bnitch demais

Bonito mais que o mundo inteiro

Ce é bnitch

Ce é bnitch

Ce é bnitch demaaais

Ce é bnitch rapaz

Oh mãe (refrão)