Rita Lee

AMOR E SEXO

AMOR É UM LIVRO Ð SEXO É ESPORTE

SEXO É ESCOLHA Ð AMOR É SORTE

AMOR É PENSAMENTO, TEOREMA

AMOR É NOVELA Ð SEXO É CINEMA

SEXO É IMAGINAÇÃO, FANTASIA

AMOR É PROSA Ð SEXO É POESIA

O AMOR NOS TORNA PATÉTICOS

SEXO É UMA SELVA DE EPILÉTICOS

AMOR É CRISTÃO Ð SEXO É PAGÃO

AMOR É LATIFÚNDIO Ð SEXO É INVASÃO

AMOR É DIVINO Ð SEXO É ANIMAL

AMOR É BOSSA NOVA Ð SEXO É CARNAVAL (ou ou ou uuu)

AMOR É PARA SEMPRE Ð SEXO TAMBÉM

SEXO É DO BOM Ð AMOR É DO BEM

AMOR SEM SEXO É AMIZADE

SEXO SEM AMOR É VONTADE

AMOR É UM Ð SEXO É DOIS

SEXO ANTES Ð AMOR DEPOIS

SEXO VEM DOS OUTROS E VAI EMBORA

AMOR VEM DE NÓS E DEMORA

AMOR É CRISTÃO…


BAILA COMIGO

Se Deus quiser, um dia eu quero ser índio

Viver pelado, pintado de verde num eterno domingo

Ser um bicho preguiça e espantar turista

E tomar banho de sol, banho de sol, banho de sol, sol

Se Deus quiser um dia acabo voando

Tão banal, assim como um pardal, meio de contrabando

Desviar de estilingue, deixar que me xinguem

E tomar banho de sol, banho de sol, banho de sol, banho de sol

Baila comigo, como se baila na tribo

Baila comigo, lá no meu esconderijo

Se Deus quiser um dia eu viro semente

E quando a chuva molhar o jardim, ah, eu fico contente

E na primavera vou brotar na terra

E tomar banho de sol, banho de sol, banho de sol, sol

Se Deus quiser um dia eu morro bem velha

Na hora “H” quando a bomba estourar quero ver da janela

E entrar no pacote de camarote

E tomar banho de sol, banho de sol, banho de sol, banho de sol


BALADA DO LOUCO

Dizem que sou louca

Por pensar assim

Se sou muito louca

Por eu ser feliz

Mais louco é quem me diz

E não é feliz, não é feliz

Se eles são bonitos

Eu sou Sharon Stone

Se eles são famosos

I’m a Rolling Stone

Mais louco é quem me diz

E não é feliz, não é feliz

Eu juro que é melhor

Não ser um normal

Se eu posso pensar

Que Deus sou eu

Se eles têm três carros

Eu posso voar

Se eles rezam muito, eu sou santa

E já estou no céu

Mais louco é quem me diz

E não é feliz, não é feliz

Eu juro que é melhor

Não ser um normal

Se eu posso pensar

Que Deus sou eu

Sim, sou muito louca

Não vou me curar

Já não sou a única

Que encontrou a paz

Mais louco é quem me diz

E não é feliz

Eu sou feliz!


BWANA

Bwana Bwana

Me chama que eu vou

Sou tua mulher robô

Teleguiada pela paixonite

Que não tem cura

Que não tem culpa pela volúpia

Volúpia!

Bwana Bwana

Teu desejo é uma ordem

Te satisfazer é o meu prazer

Que não tem jeito

O meu defeito é não saber parar

Volúpia!

Adeus sarjeta

Bwana me salvou

Não quero gorjeta

Faço tudo por amor

Bwana Bwana

Não sei cozinhar

Mas sou carinhosa

E tenho talento

Pra boêmia,

Corre sangria nas minhas veias

Volúpia!

Adeus sarjeta

Bwana me salvou

Não quero gorjeta

Faço tudo por

Faço tudo…

Faço tudo por amor!


CASO SÉRIO

Eu fico pensando em nós dois

Cada um na sua

Perdidos na cidade nua

Empapuçados de amor,

Numa noite de verão

Ai, que coisa boa!

À meia-luz, à sós, à toa

Você e eu somos um

Caso sério

Ao som de um bolero

Dose dupla

Românticos de Cuba Libre

Misto quente

Sanduíche de gente


COISAS DA VIDA

Quando a lua apareceu

Ninguém sonhava mais do que eu

Já era tarde

Mas a noite é uma criança distraída

Depois que eu envelhecer

Ninguém precisa mais me dizer

Como é estranho ser humano

Nessas horas de partida

É o fim da picada

Depois da estrada começa

Uma grande avenida

No fim da avenida

Existe uma chance, uma sorte,

Uma nova saída

São coisas da vida

E a gente se olha, e não sabe

Se vai ou se fica

Qual é a moral?

Qual vai ser o final

Dessa história?

Eu não tenho nada pra dizer

Por isso digo

Que eu não tenho muito o que perder

Por isso jogo

Eu não tenho hora pra morrer

Por isso sonho

Aaah…são coisas da vida

E a gente se olha,

E não sabe se vai ou se fica


DOCE VAMPIRO

Venha me beijar

Meu doce vampiro

Na luz do luar

Venha sugar o calor

De dentro do meu sangue vermelho

Tão vivo, tão eterno veneno

Que mata sua sede

Que me bebe quente como um licor

Brindando à morte e fazendo amor

Meu doce vampiro

Na luz do luar

Me acostumei com você

Sempre reclamando da vida

Me ferindo, me curando a ferida

Mas nada disso importa

Vou abrir a porta pra você entrar

Beijar minha boca

Até me matar de amor!


FLAGRA

No escurinho do cinema

Chupando drops de anis

Longe de qualquer problema

Perto de um final feliz

Se a Deborah Kerr que o Gregory Peck

Não vou bancar o santinho

Minha garota é Mae West

Eu sou o Sheik Valentino

Mas de repente o filme pifou

E a turma toda logo vaiou

Acenderam as luzes, cruzes!

Que flagra!

Que flagra!

Que flagra!


JARDINS DA BABILÔNIA

Suspenderam os Jardins da Babilônia

E eu pra não ficar por baixo

Resolvi botar as asas pra fora

Porque quem não chora daqui

Não mama dali

Diz o ditado

Quem pode, pode, deixa os acomodados

Que se incomodem

Minha saúde não é de ferro, não

Mas meus nervos são de aço

Pra pedir silêncio eu berro

Pra fazer barulho eu mesma faço

Ou não!

Pegar fogo

Nunca foi atração de circo

Mas de qualquer maneira

Pode ser um caloroso espetáculo

Então o palhaço ri dali

O povo chora daqui

E o show não pára

E apesar dos pesares do mundo

Vou segurar essa barra


LANÇA PERFUME

lança menina , lança todo este perfume

desbaratina não dá pra ficar imune

ao seu amor que tem cheiro de coisa maluca

Vem cá meu bem, me descola uma carinho

Eu sou néném, só sossego com beijinho

E ve se me dá o prazer de ter prazer comigo

Me aqueça

Me vira de ponta cabeça

Me faz de gato e sapato e…

Me deixa de quatro no ato

Me enche de amor , de amor

Lança, lança pefume

oh oh oh oh lança, lança perfume

Lança perfume….


MINHA VIDA

Tem lugares que me lembram

Minha vida, por onde andei

As histórias, os caminhos

O destino que eu mudei

Cenas do meu filme em branco e preto

Que o vento levou e o tempo traz

Entre todos os amores e amigos

De você me lembro mais

Tem pessoas que a gente

Não esquece nem se esquecer

O primeiro namorado

Uma estrela da tv

Personagens do meu livro de memórias

Que um dia rasguei do meu cartaz

Entre todas as novelas e romances

De você me lembro mais

Desenhos que a vida vai fazendo

Desbotam alguns, uns ficam iguais

Entre corações que tenho tatuados

De você me lembro mais

De você, não esqueço jamais!


NEM LUXO, NEM LIXO

Como vai você

Assim como eu

Uma pessoa comum

Um filho de Deus

Nessa canoa furada

Remando contra a maré

Não acredito em nada

Até duvido da fé

Não quero luxo nem lixo

Meu sonho é ser imortal, meu amor

Não quero luxo nem lixo

Quero saúde pra gozar no final

Mas como vai você?

Assim como eu

Uma pessoa comum

Um filho de Deus

Nessa canoa furada

Furou remando contra a maré

Não acredito em nada,não

Até duvido da fé


O GOSTO DO AZEDO

Para o sangue, sou o veneno

Eu mato, eu como, eu dreno

Para o resto da vida, sou extremo

Sou o gosto do azedo

A explosão de um torpedo

Contaminação do medo

Eu guardo o seu segredo

Sou o HIV que você não vê

Você não me vê

Mas eu vejo você

Sou a ponta da agulha

Tanto bato até que você fura

É a minha a sua captura

Sou dupla persona

Seu estado de coma

Sou o caos, sou a zona

Seu nocaute na lona

Sou o HIV que você não vê

Você não me vê

Mas eu vejo você

Eu sou o livre-arbítrio

Sem causa com efeito

Sua força é meu grande defeito

Sou a dor da tortura

Uma nova ditadura

Terminal da loucura

Sou o vírus sem cura

Sou o HIV que você não vê

Você não me vê

Mas eu vejo você


OVELHA NEGRA

Levava uma vida sossegada

Gostava de sombra e água fresca

Meu Deus quanto tempo eu passei

Sem saber

Foi quando meu pai me disse: “Filha

Você é a ovelha negra da família

Agora é hora de você assumir

E sumir”

Baby, baby, não adianta chamar, oh não

Quando alguém está perdido

Procurando se encontrar

Baby, baby, não vale a pena esperar, oh não

Tire isso da cabeça, ponha o resto no lugar


SÓ DE VOCÊ

Será que a gente ainda será

A velha estória de amor que sempre acaba bem, meu bem

Meio demodée pra hoje em dia

Antigamente, tudo era bem mais chique

Porque a gente nem sabe porque

Mas acontece que eu nasci pra ser só de você

É claro que a sorte também ajudou

Ultimamente, um romance dura pouco

Cola, seu rosto no meu rosto

Enrola, seu corpo no meu corpo

Agora, esta na hora de dançar…


VÍTIMA

Com a sutileza de um furacão

Você vai tomando conta do meu coração, babe

Com o sangue frio de um torturador

Eu planejo passo a passo atacar seu amor, babe

Com o jeiro estranho de um cara normal

Chego perto do seu corpo acariciando um punhal, babe

Com a boca seca num deserto sem fim

Nem me toco que você é só miragem pra mim, babe

Falado:

Sou temperamental

As vezes, passo mal

No meio da festa

Detesto multidão

Conheço tanta gente sem atração

Do meu esconderijo no milésimo andar

Espio noite e dia sua vida secreta

O frio de São Paulo me faz transpirar

Sou vítima

Vítima

Vítima da sua janela indiscreta