Paulo Gracindo

De batismo, ele era Pelópidas Guimarães Brandão Gracindo um nome incomum e inviável para a carreira de ator. Então virou Paulo, para ser amado e admirado como um ator incomum, um inigualável criador de tipos.

Paulo Gracindo

Na GLOBO, Paulo Gracindo estreou ainda na década de 60 criando tipos inesquecíveis. Foi bicheiro, padre, boêmio, pintor, mafioso, aristocrata, coronel nordestino. Foi rei e foi mendigo. Só iria abandonar a telinha em 1993, já doente. Na despedida a última homenagem ao público: a comovente interpretação de um velho professor de música na minissérie Agosto.

Trabalhos realizados em novelas

Paulo Gracindo emissora ano autor(a)(es)
A Gata de Vison Globo 1968/69 Glória Magadan
A Próxima Atração Globo 1970/71 Walter Negrão
O Cafona Globo 1971 Bráulio Pedroso
Bandeira 2 Globo 1971/72 Dias Gomes
O Bem Amado Globo 1973 Dias Gomes
Os Ossos do Barão Globo 1973/74 Jorge Andrade
Gabriela Globo 1975 Walter George Durst
O Casarão Globo 1976 Lauro César Muniz
Sinal de Alerta Globo 1978/79 Dias Gomes
Roque Santeiro Globo 1985 Dias Gomes
Hipertensão Globo 1986/87 Ivani Ribeiro
Mandala Globo 1987/88 Dias Gomes e Marcílio Moraes
Rainha da Sucata Globo 1990 Sílvio de Abreu
Araponga Globo 1990/91 Dias Gomes, Ferreira Gullar e Lauro César Muniz
Vamp Globo 1991/92 Antonio Calmon